Sobre o Livro

Fazer programa de intercâmbio? Ser Au Pair? O que é isso? Onde? Qual é a melhor família? Qual cidade?

Todas as meninas e meninos que sonham em ser Au Pair têm milhões de dúvidas. Foi assim que, ao viajar, eu começei meu blog. Vi que muitas pessoas faziam várias perguntas e tudo o que eu escrevia nunca era o suficiente. O livro saiu justamente com esse objetivo: informar, auxiliar e mostrar a realidade.

Resolvi colocar aqui, na forma de diário (e têm todos os dias mesmo), como foi meu ano, desde que resolvi ser Au Pair, a casa, os pais, as crianças, as amigas, as brigas, a revolta, as alegrias, as emoções e o retorno para casa. Enfim, acho que tudo.

Este livro não é uma forma de como todos devem agir, mas sim, a experiência que eu tive e também as de outras Au Pairs que conviveram comigo. Algumas experiências boas, outras nem tanto. Não existem regras ou receitas prontas. Apenas tenha coragem e encare um novo desafio.

A experiência, no fim, valeu a pena? Deixo você tirar suas próprias conclusões.

CAPÍTULOS DO LIVRO

01. Primeiro Mês

Quando você precisa se adaptar.

Precisamos aprender que as coisas funcionam diferentes do que estamos acostumados, e precisamos lidar com isso. Às vezes, problemas podem surgir, mas o importante é seguir em frente. Toda Au Pair sabe que as crianças também precisam se adaptar ao nosso jeito e nós, ao delas.

02. Segundo Mês

Quando você precisa passar confiança.

Au Pair precisa, acima de tudo, adquirir a confiança dos pais, e também, das crianças. Afinal, os pais precisam saber que você não vai deixá-los sozinhos ou fazer alguma maluquice. As crianças precisam acreditar que você sabe o que está fazendo.

03. Terceiro Mês

Quando você faz novos amigos.

Já basta estar longe da família e de todos que amamos. Não dá, também, para ficarmos sem amizades. Elas nos ajudam em vários momentos. Amigas Au Pairs são excelentes, elas sempre tem uma história pior ou melhor que a nossa, além de dar ótimos conselhos.

04. Quarto Mês

Quando você precisa estudar.

Viajamos com um objetivo e ele precisa ser cumprido. É hora de arregaçar as mangas e ir estudar. Ficar tentando adivinhar o que as crianças ou os pais falam fica difícil. Escolas e cursos é o que não faltam para fazermos amizades e melhorar a comunicação.

05. Quinto Mês

Quando você já está acostumada com a rotina da casa.

Depois de tanto tempo na casa, já sabemos como tudo funciona, onde tudo fica guardado. A vergonha já foi embora e os pais ou as crianças já não se importam com o que estão fazendo na sua frente. Você já não é mais uma estranha.

06. Sexto Mês

Quando você se apega às crianças.

Não tem como ser diferente. Por mais difíceis que elas sejam, as crianças sempre tem muito o que nos ensinar. Elas não escutam, mas por outro lado, fazem coisas inimagináveis. Elas são super sinceras e acabam ganhando nosso coração.

07. Sétimo Mês

Quando você passa por dificuldades.

Após algum tempo na casa, toda Au Pair sabe quantos sapos já engoliu. É preciso paciência com os pais e com as crianças para não causarmos nenhum problema e o programa ficar estressante. A dificuldade existe e precisa ser administrada.

08. Oitavo Mês

Quando você sai de Férias.

Toda Au Pair precisa de férias, afinal, não é fácil lidar com as crianças dos outros, ainda mais quando falamos de duas ou três. As férias são merecidas e, portanto, vamos viajar para descansar. Nada melhor para continuar a rotina e ecarregar as energias para retomar o dia-a-dia, afinal, as crianças já estão esperando.

09. Nono Mês

Quando você precisa decidir se estende o programa ou não.

Difícil escolha, ficar na família e estender o programa, ou ir embora de vez? Completar um ano ou dois? É a hora da decisão e nem sempre sabemos o que queremos. As saudades estão apertadas, mas nem sempre aprendemos tudo ou viajamos o quanto queríamos.

10. Décimo Mês

Quando você se arrisca em coisas novas.

É a hora de arriscar algo novo. Depois de estudar, conhecer a rotina e estar adaptada, vamos inventar coisas novas. Eu resolvi procurar e achei algo que eu me identificasse. Assim, tive experiências novas.

11. Décimo Primeiro Mês

Quando você conta os dias para voltar para casa.

Toda Au Pair conta, sejam horas, dias, semanas ou meses. Está quase no fim e você corre atrás de tudo o que não fez durante o ano. A paciência com as crianças já não é mais a mesma e você quer apenas voltar para casa.

12. Décimo Segundo Mês

Quando você se despede.

Um ano de trabalho. Da adaptação até aqui, a viagem foi longa e já temos muito o que contar. É a hora de saber se todo o esforço valeu a pena, se o ano como Au Pair atingiu seus objetivos e metas. Depois de tanto sufoco e correria é a hora de dizer tchau e a saudades já começa a bater.

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

Ao revisar o belo livro “O Diário de Gisella”, eu cuidei muito em preservar a linguagem própria de um diário. Isso se torna importante, ainda mais, quando se trata de relatos repletos de emoções e que podem variar, em poucos instantes, de uma profunda tristeza para a mais contagiante alegria e felicidade, e vice-versa.
No livro aparecem muitas expressões em outras línguas, com destaque para o Inglês, falado nos Estados Unidos, onde ocorre a maior parte dos fatos relatados pela autora.
Um texto em forma de diário tende a constantes repetições. Por isso procura-se alternar expressões sinônimas, mas para tanto há um limite necessário para que a autenticidade autoral não seja prejudicada e o livro não se torne exageradamente gramatical.
Procurou-se usar a norma gramatical de prestígio até onde isso se torna importante e possível.
Posso atestar uma grande criatividade da parte da autora Gisella, que sempre busca a maior fidelidade possível aos fatos narrados. Por isso, nem sempre é possível pontuar com toda a rigidez certas frases, não se pode impedir a aplicação das formas verbais compostas com intenso uso de gerúndios, sob a pena de tornar o livro artificial e tirar-lhe o que tem de mais importante: a força da emoção.

Reforço que o livro está pronto para ser lido, comentado, recomendado pelo e ao público interessado, notadamente as pessoas com interesse em viajar ao exterior, seja para intercâmbios, estudos ou simples passeios turísticos. Recomendo ainda para pais e filhos que queiram repensar a maneira de conviver em família.
O que Gisella Depiné Poffo relata, ensina Geografia, História e, principalmente, a Cultura dos povos, com destaque para a americana em comparação com a brasileira.
Este é um livro em que aparecem os sentimentos de uma babá (Au Pair), das crianças sob seus cuidados e dos familiares dela e de seus afilhados. Sim, ela é como uma madrinha para eles, já que os ama e presenteia muito. Ela colhe intensa reciprocidade.
Paro aqui, senão acabarei escrevendo outro livro sobre o livro que é o objeto em análise.
Roque Aloisio Weschenfelder
Professor, escritor e revisor textual


A AUTORA CONHEÇA GISELLA

Gisella Depiné Poffo é natural de Ascurra, Santa Catarina e formou-se em Comunicação Social – Relações Públicas. Logo depois, fez Pós graduação em Gestão de Pessoas.

Sempre gostou muito de conhecer novas pessoas, conversar e escrever.
Para ajudar outros interessados no programa, Gisella começou seu blog e percebeu a quantidade de interessados no assunto, iniciando seu livro, ainda durante o programa, já que sua história contém episódios incríveis e improváveis.

Gisella acredita que a coisa mais importante para se realizar um sonho é a coragem. É isso que define entre tirar ou não um projeto do papel.

Atualmente, Gisella é empresária e vive em São Paulo. Adora fotografia e se arrisca a fazer coisas novas.